Livros Lidos

Inês - 's bookshelf: read

O Grande Gatsby
Isto Acaba Aqui
A Cabana
Escrito na Água
A Rapariga Que Sonhava com Uma Lata de Gasolina e Um Fósforo
A Rapariga de Antes
O Império dos Homens Bons
Em Parte Incerta
O apelo da selva
Os Homens que Odeiam as Mulheres
Diário de Anne Frank
A Princesa de Gelo
A Quinta dos Animais
Maligna
Como é Linda a Puta da Vida
Um estranho lugar para morrer
A Verdade Sobre o Caso Harry Quebert
A Rapariga no Comboio
Mulheres, Comida & Deus
A aventura do bolo de natal


Inês - Livros e Papel's favorite books »

segunda-feira, 13 de setembro de 2021

Novidade - A última casa em Needless Street de Catriona Ward

 





SINOPSE

Não vai acreditar no que se esconde na última casa em Needless Street…
Esta é a história de Ted, que vive com a filha Lauren e a gata Olívia, numa casa perfeitamente banal, ao fundo de uma rua igualmente banal.
Esta é a história de um assassino. De uma criança roubada. De vingança.
Tudo isto é verdade. E quase tudo isto é mentira.
Pode acreditar que sabe o que se esconde na última casa em Needless Street. Pode até achar que já ouviu esta história em algum lugar.
Mas, na última casa em Needless Street, nada é o que parece.

CRÍTICAS
Um romance extraordinário.

Gillian Flynn, autora de Em parte incerta

Um romance enervante que conserva os seus segredos inacreditáveis até à última página. O buzz é real. Não lia nada tão bom desde "Em Parte Incerta".

Stephen King, autor de It, A Coisa



domingo, 5 de setembro de 2021

Novidade - O Livro dos Amigos Perdidos de Lisa Wingate

 





SINOPSE

Três jovens embarcam numa jornada épica neste romance poderoso e comovente inspirado em acontecimentos verídicos

Luisiana, 1875. No tumultuoso rescaldo da Guerra Civil, três jovens mulheres embarcam relutantemente numa viagem perigosa: Lavinia, a mimada herdeira de uma plantação arruinada; Juneau Jane, a sua ilegítima e livre meia-irmã crioula; e Hannie, a antiga escrava de Lavinia. Divididas pela sociedade, pela lei e por ressentimentos antigos, todas carregam traumas privados e segredos poderosos enquanto se dirigem para o Texas, a terra da esperança, em busca dos familiares desaparecidos. Luisiana, 1987. Para Benedetta, professora primária, um emprego numa escola rural parece a solução para amortizar as suas dívidas - até chegar a uma pequena cidade costeira do rio Mississipi. Augustine, no Luisiana, permanece firme nas suas crenças, suspeitando de novas ideias e de novas pessoas, e Benny dificilmente consegue compreender a vida de pobreza dos seus alunos. Mas entre os carvalhos retorcidos e as plantações degradadas existe uma história centenária de três jovens mulheres, de uma viagem antiga e de um livro escondido que pode transformar as suas vidas.

domingo, 29 de agosto de 2021

quinta-feira, 26 de agosto de 2021

Opinião - Refém de Clare Mackintosh

 




Neste quarto livro que leio da autora, vamos conhecer Mina, o marido Adam e a filha Sophia. Após várias tentativas falhadas de engravidar, o casal decidiu adotar Sophia mas a menina, agora com 5 anos, sofre de um síndroma.

Mina é hospedeira e vai ser inaugurado o primeiro voo sem escalas Londres - Sydney, com a duração de 20 horas. Ela está com muita vontade de fazer este voo e acaba por trocar com um colega. Adam é polícia e como também trabalha por turnos, o casal recorre aos serviços de uma babysitter, a Katya, para ficar com a filha quando é necessário. Sendo o livro narrado alternadamente pela Mina e pelo Adam, vamos perceber que o casamento deles não está bem, tendo inclusivamente levado a que a babysitter se tenha despedido. Mina acredita que Adam se envolveu com a Katya e parte para o seu voo com este problema na sua mente.

Poucas horas depois de ter levantado voo, Mina recebe um bilhete, onde lhe é pedido para fazer alguém entrar no cockpit do avião, caso contrário a vida de Sophia corre perigo. A partir daqui começa toda a tensão e suspense desta história. Mina vai ter de lidar com esta situação e com a ameaça que pende sobre a vida da filha.

Gostei muito desta trama, cheia de suspense e tensão, numa ambiente altamente claustrofóbico. Apesar de o início ter sido um pouco mais lento, pois focou-se muito nas questões familiares de Mina, não estragou o ritmo da narrativa. A tensão que se sente e que me deixou nervosa foi tanto no avião como em Londres, como o que se ia passando na casa de Mina com o marido e a filha. 

Gostei do facto de a autora nos ir apresentando ao longo da história alguns dos 353 passageiros do Boeing 777. Abordou também um tema muito pertinente e importante, o da poluição e alterações climatéricas, que me levaram a refletir um pouco sobre o assunto.

O que dizer do final? Vários twists mesmo no fim da história que me surpreenderam muito. Apenas achei que houve dois acontecimentos que achei pouco verossímeis e por isso não consigo que a minha classificação chegue às 5 estrelas.

Sem dúvida uma ótima recomendação de leitura para quem gosta de thrillers.

Classificação: 4/5


Agradeço à editora o envio de um exemplar.


SINOPSE

Aperta o cinto… poderás sentir alguma turbulência

Um thriller claustrofóbico que te transporta até um voo arrepiante de vinte horas, sem escalas, de Londres a Sydney.

Mina está a tentar concentrar-se no seu trabalho como hospedeira de bordo em vez de pensar nos problemas da sua filha de cinco anos ou nas fissuras do seu casamento. Mas, assim que o avião se encontra a quilómetros de altitude, Mina recebe uma nota arrepiante de um passageiro anónimo. Alguém com a intenção de garantir que o avião nunca chegue ao seu destino. Alguém que precisa da colaboração de Mina e sabe exatamente como fazê-la obedecer.

Restam vinte horas para aterrar no destino. Muita coisa pode acontecer em vinte horas.

CRÍTICAS
«Um thriller arrepiante.»
Shari Lapena

«É como assistir a um filme de ação.»
Lisa Jewell

domingo, 22 de agosto de 2021

Opinião - A Rapariga da Rosa de Leslie Wolfe

 





Este quinto livro da autora Leslie Wolfe e da série da agente Tess Winnett abarca três pequenas histórias, três casos diferentes, que na sua versão original, foram publicados separadamente.

Na primeira, a que dá título ao livro, A Rapariga da Rosa, Kaylee de 15 anos de idade desaparece. A mãe diz que sabe tudo sobre a filha que é muito responsável. A melhor amiga, Alice, acaba por confessar que Kaylee tinha um namorado mais velho mas não sabe quem é. Mais uma vez os métodos de Tess são colocados em questão ao ter de enfrentar o Governador com o qual tem uma relação complicada.

A segunda história, Marcada para a Morte, Tess volta a enfrentar o seu já conhecido Assassino das Palavras, que tatua nos corpos das suas vítimas um número e uma letra. Mas este caso vai ser diferente porque a vítima, Danielle, é encontrada com vida, ao contrário das anteriores vítimas. Conseguirá Tess evitar novas vítimas e descobrir que é este criminoso?

Já na última história é encontrado um corpo de uma mulher, Myra, no alto mar, no Golfo do México. Como é que esta mulher veio ali parar e o que terá acontecido?

Confesso que prefiro uma só história mais desenvolvida, onde os pormenores são explicados e esmiuçados, onde seguimos toda a investigação e quando há geralmente a explicação da mente do criminoso, e o que o conduz à prática dos crimes. Sinto que estas histórias mias pequenas, em especial a última, poderia ter sido um pouco mais explorada. Achei o final muito apressado e queria ter sabido mais sobre o assassino.

Mas não deixou de ser uma leitura com um saldo bastante positivo. A minha história preferida foi a primeira, foi uma leitura viciante e que me prendeu. Talvez por ter sido a maior, mais desenvolvida e onde houve espaço para a análises de perfil que Tess já nos habituou. Quem já conhece a autora sabe que os seus livros são cativantes e interessantes, este não fugiu à regra. Sem dúvida a não perder para os fãs de thrillers e da Tess Winnett.

Classificação: 4/5

Agradeço à editora o envio de um exemplar.

SINOPSE

Três histórias. Duas vidas. Um assassino.

A agente Tess Winnett está de volta com três casos reunidos num único livro. Raparigas desaparecidas, evidências perturbadoras e crimes terríveis. Tess Winnett corre contra o tempo. Um corpo congelado, vidas suspensas nas mãos de assassinos em série, destinos cruzados e mensagens misteriosas em corpos ensanguentados. Quantas mais vítimas terão de morrer? Quanto tempo mais irão os assassinos continuar a escapar?

A Rapariga da Rosa
Um corpo congelado, incapaz de se mover. Os olhos vazios, fixos no sangue que emana do seu próprio corpo, enchendo uma taça de porcelana cuidadosamente trabalhada a ouro. Os lábios entreabertos de quem soltou um grito que não chegou a ninguém. E ele apenas sorri, enxugando-lhe as lágrimas com os dedos frios.

Marcada para a Morte
Um número, uma letra. Duas personagens, nove cortes, os seus destinos cruzados e nitidamente esculpidos na pele ensanguentada de Danielle. Tess já tinha visto isto antes. Nos corpos de outras vítimas… ela conhece aquela assinatura... O Assassino das Palavras está de volta, no entanto, a sua identidade permanece um mistério. Um assassino impulsivo, desorganizado e rápido como um relâmpago. E porque terá deixado Danielle com vida?

Morte nas Alturas
O mar alto não teve tempo suficiente de destruir o corpo. A sua beleza permanece intacta, os lábios pálidos em memória de um último suspiro, o rosto escondido por mechas de cabelo escuro e ondulado. Cada centímetro da sua pele testemunha um terrível destino entregue nas mãos de um assassino que nunca esperou que ela fosse encontrada.

CRÍTICAS
«As personagens de wolfe são fortíssimas, nunca parecem ter falhas e jamais dececionam.»
Amazon

«A ação é brilhante e intensa e quando achamos que sabemos tudo, Leslie Wolfe vira tudo do avesso de forma tão magistral que só conseguimos parar na última página.»
Goodreads


quinta-feira, 12 de agosto de 2021

Novidade - O Segredo de Wuhan de Luís Corredoura

 




SINOPSE

Uma pandemia tomou conta do planeta. No entanto, o que condicionou a vida de biliões de pessoas é o resultado de uma ideia antiga, a consubstanciação de um plano megalómano e delirante engendrado por um dos mais conhecidos e implacáveis líderes políticos do século XX.

Ciente do perigo, Yan Weng-Li, uma virologista com ascendência portuguesa que trabalha para o regime de Pequim numas instalações secretas existentes em Wuhan, decide desertar e pedir asilo. No entanto, terá primeiramente de convencer Washington de que a China está a fazer uso de uma arma biológica para provocar o caos na economia mundial com o intuito de se tornar na sua principal potência.

Recorrendo a António Norte, conceituado jornalista, e a Rebecca Clark, uma vedeta televisiva com sérias pretensões políticas, para denunciar o que há mais de um século terá também estado na origem da gripe espanhola, logrará esta dissidente provar tudo quanto sabe e evitar que a China tome definitivamente conta do mundo, tal como era o sonho de Mao Tsé-Tung? E qual o papel das grandes farmacêuticas no meio de toda esta intriga? Será que a saúde das pessoas é apenas um negócio como outro qualquer? Quanto vale uma vida?

sexta-feira, 30 de julho de 2021

Opinião - O Clube do Crime das Quintas-Feiras de Richard Osman


Neste primeiro livro da série Thursday Murdrer Club, vamos conhecer quatro reformados: Ron um ex-sindicalista, Ibrahim, um ex-psiquiatra, Joyce, uma ex-enfermeira e Elizabeth. Eles moram num bairro de residências para reformados chamado Coopers Chase Retirement Village que fica em Kent, na Inglaterra. 
Reúnem semanalmente para discutir crimes que não foram ainda resolvidos, criando assim o Clube do Crime das Quintas-Feiras. É através de Elizabeth que eles obtém os ficheiros destes crimes e sobre os quais se debruçam na esperança de lhes conseguir dar um desfecho. Elizabeth é a líder do grupo mas tem um passado algo misterioso e uma rede de contactos grande o suficiente que lhe dá acesso a estes ficheiros e a contactos privilegiados.

Na primeira parte do livro vamos então conhecer melhor estes quatro residentes, os seus hábitos e rotinas e um pouco das suas histórias de vida e como chegaram ao bairro residencial. Até que há um homicídio neste bairro. E pouco tempo depois, outro. Agora sim o clube vai por mãos à obra e usar toda a experiência de vida e sabedoria para investigar estes crimes.

Apesar de ter ficado com a expetativa de que seria um livro com bastante humor, isso não aconteceu. O humor, que existe, é bastante discreto e subentendido. Há algumas piadas relacionadas com factos ocorridos em Inglaterra que penso que não teve o impacto que teria se fosse nacional do país ou estivesse conhecimento do assunto.

Mas isso não me tirou o prazer desta leitura. Primeiro porque este quarteto de idosos são personagens engraçadas, muito bem descritas e estruturadas, impossível não simpatizar com eles. Depois porque a história relacionada com os homicídios está cheia de mistério, segredos, voltas e reviravoltas. É daqueles livro que nos prendem desde os primeiros capítulos. 
Gostei muito dos truques, esquemas e subterfúgios que estes residentes usam para conseguir aquilo que querem e se desenvasilharem de certas situações, especialmente como conseguiram que a policia Donna de Freitas fosse destacada para investigar estes crimes, juntamente com o colega Chris.
A história é narrada na terceira pessoa e alternadamente há capítulos com passagens do diário da Joyce, que gostei muito de ler.

É um livro que aborda algumas questões mais sensíveis relacionados com a velhice como a perda de faculdades físicas, a doença, a solidão, o luto e a perda. Mas isto é o que torna estas personagens tão reais e verosímeis. E sendo eles tão diferentes, resultam tão bem juntos com essas diferenças. Desenganem-se, esta história não se resume a estas quatro personagens, é um história muito rica, quer em número quer em diversidade de personagens.

Um  livro que recomendo a quem gosta de mistérios com um toque de humor e cujas personagens fazem a diferença na história. É um livro diferente que me cativou. Ah, e como disse no início, é uma série, por isso espero que o segundo livro seja publicado em breve!

Classificação: 4/5

Agradeço à editora o envio de um exemplar deste livro.
SINOPSE

Quatro reformados com alguns truques na manga
Uma polícia com o seu primeiro grande caso nas mãos
Um assassinato brutal
Bem-vindos a... O Clube do Crime das Quintas-feiras

Num pacato bairro de residências privadas para reformados, quatro amigos improváveis reúnem-se uma vez por semana para discutir crimes que ficaram por resolver.

Ron, um ex-sindicalista todo tatuado; a doce Joyce, uma viúva que não é tão ingénua quanto parece; Ibrahim, um ex-psiquiatra com uma incrível habilidade analítica; e a tremenda e enigmática Elizabeth, que lidera este grupo de investigadores amadores... ou nem por isso.

Quando um homicídio ocorre no pequeno bairro, e uma misteriosa fotografia é encontrada ao lado do cadáver, o clube vê-se envolvido no seu primeiro caso real. Embora sejam quase octogenários, os quatro amigos têm alguns truques na manga...

Será que este gangue pouco convencional, mas brilhante, irá conseguir apanhar o assassino antes que seja tarde demais? O melhor é nunca subestimar um grupo de velhotes.

CRÍTICAS DE IMPRENSA
«Não se via nada assim desde Harry Potter.»
The Guardian


domingo, 25 de julho de 2021

Opinião - As Resistentes de Judy Batalion

 




Em As Resistentes, a autora, neta de sobreviventes polacos do Holocausto, transporta-nos para o período da Segunda Guerra Mundial na Polónia. Conta-nos como várias mulheres tiveram um papel importante neste tempo da nossa história. Infelizmente são histórias pouco conhecidas, pelo que a autora, após vários anos de pesquisa, quis deixar por escrito este relato verdadeiro da participação deste grupo de corajosas mulheres judias que se tornaram uma importante rede de resistência contra os nazis.

Os relatos centram-se em Reina Kukielka, na altura com apenas 17 anos, mas também em tantas outras mulheres que fizeram parte desta rede como Zívia, Frumka ou Chajka. Estas mulheres judias fizeram tudo o que podiam para lutar e resistir contra o nazismo: foram contrabandistas de pessoas, armas e granadas, documentos falsos e vários tipos de informação; foram sabotadoras, espiãs e serviram de correio para os mais variados fins; e até chegaram a combater. Esconderam armas dentro de pães, mensagens em código nos seus cabelos e contribuíram para a construção de bunkers subterrâneos onde vários judeus se refugiavam dos nazis. Fizeram-se passar por polacas cristãs e até resgatavam e sustentavam judeus escondidos.

"Frumka tornou-se obcecada: quem estivesse em condições de lutar não devia esperar que o salvassem! A autodefesa é o único meio de redenção! Morrer de uma morte heroica!"

"Tínhamos de ter uma vontade de ferro. Era isto que repetia a si mesma no comboio, enquanto atravessava florestas a toda a velocidade, passava por inspeções com armas presas no corpo, um sorriso estampado nos lábios."

Muitas destas jovens mulheres tinham um grande sentimento de culpa por terem sido, em alguns casos, as únicas sobreviventes na família. E penso que também por isso tinham este desejo de lutar, pois já não tinham nada a perder, além das suas vidas. 

Apesar de ter havido quem quisesse transmitir a sua experiência, e até houve quem escrevesse as suas histórias, grande parte destas histórias da resistência foram silenciadas, porque não interessavam do ponto de vista político e até porque as achavam inverosímeis e falsas. E por isso nunca foram tidas como relevantes e importantes de divulgar, acabando por, passados 75 anos, a maioria destas mulheres extraordinárias ser desconhecida.

"Censuraram-se os escritos de algumas mulheres para se adequarem a motivações políticas, outros foram tratados com incredulidade acusados de serem uma invenção."

É óbvio que estes tempos foram terríveis, as perdas humanas foram em grande escala, mas, para mim, os sobreviventes tiveram de ter uma força incrível para superar, ou, pelo menos, tentar superar toda esta vivência. O que me perturba sempre que leio sobre estes temas é pensar que no fim da guerra, há um retorno à vida antes da guerra. Mas esse período pode ser tão ou mais duro do que a guerra em si. O "voltar a casa" para a grande maioria, é para quem e para onde? Tantas famílias completamente desfeitas, sobreviventes que nunca conseguiram juntar-se à família, casas e bens materiais que nunca foram recuperados... Não sei onde os sobreviventes foram buscar forças para se reerguer, numa época onde os cuidados mentais eram tão precários e irrelevantes, é isto que mais me perturba e me deixa a pensar.

Foi uma leitura dura, crua e real deste pedaço da nossa história. Não foi um livro que consegui ler de uma assentada, tive de ir alternando com outras leituras mais leves. E não é mais um livro sobre o Holocausto e a 2ª Guerra Mundial. São histórias desconhecidas de mulheres tão jovens que tiveram a coragem e até a audácia de lutar e fazer a diferença. Leitura obrigatória para quem gosta de saber mais sobre este período negro da história mundial.

Classificação: 4/5

Agradeço à editora o envio de um exemplar deste livro.

SINOPSE

Uma das mais importantes histórias até agora não contadas da Segunda Guerra Mundial.

As Resistentes, traz para a luz do dia os feitos extraordinários e corajosos de um grupo de mulheres judias que se tornaram combatentes da Resistência.
Testemunhas do brutal assassínio das suas famílias e da violenta destruição das suas comunidades, um grupo de mulheres judias na Polónia, algumas ainda adolescentes tornaram-se o coração de uma vasta rede de resistência que lutou contra os nazis.

Com coragem, astúcia e nervos de aço, estas raparigas do gueto esconderam revólveres dentro de pães, mensagens codificadas nos seus cabelos, ajudaram a construir sistemas de bunkers subterrâneos e esconderam milhares de judeus em refúgios seguros. Namoriscaram soldados alemães, subornaram-nos com vinho e uísque, usaram a sua aparência para os seduzir e matar. Dinamitaram vias-férreas e sabotaram as linhas de abastecimento alemãs.

Judy Batalion, neta de sobreviventes polacos do Holocausto, leva-nos até 1939 para nos apresentar Renia Kukielka, que arrisca a sua vida a viajar, a pé ou de comboio, pela Polónia ocupada. Batalion segue a vida de Renia e todas estas outras incríveis mulheres que foram contrabandistas, mulheres correio, lutadoras, espiãs, sabotadoras...

Poderoso e inspirador, As Resistentes é um relato verdadeiro e inesquecível acerca da luta pela liberdade, da coragem excecional, da amizade entre mulheres e da sobrevivência perante a adversidade.