Livros Lidos

Inês - 's bookshelf: read

O Grande Gatsby
Isto Acaba Aqui
A Cabana
Escrito na Água
A Rapariga Que Sonhava com Uma Lata de Gasolina e Um Fósforo
A Rapariga de Antes
O Império dos Homens Bons
Em Parte Incerta
O apelo da selva
Os Homens que Odeiam as Mulheres
Diário de Anne Frank
A Princesa de Gelo
A Quinta dos Animais
Maligna
Como é Linda a Puta da Vida
Um estranho lugar para morrer
A Verdade Sobre o Caso Harry Quebert
A Rapariga no Comboio
Mulheres, Comida & Deus
A aventura do bolo de natal


Inês - Livros e Papel's favorite books »

domingo, 21 de janeiro de 2018

Opinião - A Herdeira e a Coroa, Kiera Cass

            
Recebi este dois últimos livros da série Selecção no natal.

Na Herdeira é-nos contada a história da filha mais velha dos réis, America e Maxon, vinte anos depois de se terem casado. 
A Princesa Eadlyn é a herdeira do trono e com 18 anos de idade vai ela agora ter 35 pretendentes e escolher um com quem casar. Será a primeira vez que será uma selecção de homens.

Tive pena que a série tenha pulado tanto no tempo, 20 anos, e não tivéssemos sabido nada da bonita história de amor de América a Maxon...

É no livro A Coroa que termina a Selecção e Eadlyn escolhe o seu príncipe. A escolha dela acaba por surpreender o leitor pois não é a escolha provável.

Termina assim esta saga que foi muito agradável de ler, apesar de não ser o meu género preferido de leitura. É sem dúvida uma leitura que não se quer largar e a autora sabe bem prender o leitor à história.

Classificação: 4/5



SINOPSE
A Princesa Eadlyn cresceu a ouvir histórias intermináveis de como a sua mãe e o seu pai se conheceram. Vinte anos antes, America Singer entrou na Seleção e conquistou o coração do Príncipe Maxon - e viveram felizes para sempre.

Eadlyn sempre achou romântica esta história de encantar, mas não tem qualquer interesse em tentar repeti-la. Por si, adiaria o casamento tanto tempo quanto possível. Mas a vida de uma princesa não é inteiramente sua e Eadlyn não pode escapar à sua própria Seleção - por mais fervorosamente que proteste.

Eadlyn não espera que a sua história acabe em romance. Mas com o início da competição, um candidato poderá acabar por conquistar o coração da princesa, mostrando-lhe todas as possibilidades que se encontram à sua frente… e provando-lhe que viver feliz para sempre não é tão impossível como ela pensou.


SINOPSE
Este é o volume final da saga «A Seleção», que apaixonou milhares de leitores por todo o mundo! Em A Herdeira, o universo de A Seleção entrou numa nova era. Vinte anos se passaram desde que America Singer e o príncipe Maxon se apaixonaram, e a filha do casal é a primeira a passar pela sua própria seleção. Eadlyn não acreditava que encontraria um companheiro entre os trinta e cinco pretendentes do concurso, muito menos o amor verdadeiro. Mas às vezes o coração tem uma maneira estranha de surpreender-nos... E agora Eadlyn precisa fazer uma escolha muito mais difícil - e importante - do que esperava.

quinta-feira, 18 de janeiro de 2018

Opinião - Corpos Perfeitos, Jane Robins




Fiquei muito curiosa com este livro assim que li a sinopse.

Callie e Tilda são irmãs gémeas. Quando Tilda começa a namorar com Felix, Callie começa a notar que a irmã não está bem, que o relacionamento de ambos é algo estranho. E começa a desconfiar que Félix é abusivo com a irmã.
Questiona a irmã mas ela nega e diz que está tudo bem, porém Callie não fica satisfeita com as justificações de Tilda e acaba por encontrar um grupo online de apoio a vítimas de maus tratos. Nesse grupo conhece vitimas de abuso e pessoas que tentam ajudar e proteger as vítimas. Pede conselhos e chega mesmo a se encontrar com algumas das suas novas amigas. Até que uma dessas amigas é morta.

Não vou revelar mais sobre a história, pois estaria a revelar demasiado, mas o livro começa com a descoberta de Felix morto num quarto de hotel.

Este livro foi uma leitura muito boa. Prendeu-me desde o início, é  um bom thriller. Cheio de tensão, mistério e uma grande reviravolta. Não estava nada à espera do final que teve!
Gostei muito!


Classificação: 4/5


SINOPSE

Tilda e Felix aparentam ser o casal perfeito. São jovens e belos. Ela é uma atriz em ascensão. Ele é rico e especialista em finanças. Mas, por detrás da fachada de harmonia, nem tudo é o que parece…
Pois Callie, a tímida irmã gémea de Tilda, tem observado o casal de perto. Algo não bate certo. Desde a perda de apetite à decisão de deixar de trabalhar, tem de haver um motivo para os estranhos comportamentos da irmã. Tilda parece definhar, adquiriu hábitos invulgares, esconde seringas na casa de banho, tenta disfarçar nódoas negras... A Callie também não passaram despercebidas as fúrias incontroláveis de Felix.

Intrigada, Callie recorre à Internet, onde conhece um grupo de apoio a vítimas de maus-tratos. Mas a situação não tarda a descarrilar. Quando uma das suas novas amizades é assassinada, a jovem começa a duvidar de si própria. E, de repente, também Felix aparece morto. Não há indícios de crime, mas esta morte parece demasiado perfeita… 

Suspense psicológico no seu melhor, Corpos Perfeitos dá-nos uma nova perspetiva sobre a obsessão, a violência que infligimos aos outros - e a nós próprios - ao mesmo tempo que revela o lado obscuro do amor e a força tremenda dos laços de fraternidade.



quarta-feira, 17 de janeiro de 2018

Novidades de Janeiro - O Homem de Giz de C. J. Tudor




SINOPSE

Toda a gente tem segredos...


Tudo aconteceu há trinta anos, e Eddie convenceu-se de que o passado tinha ficado para trás. Até ao dia em que recebeu uma carta que continha apenas duas coisas: um pedaço de giz e o desenho de uma figura em traços rígidos. À medida que a história se vai repetindo, Eddie vai percebendo que o jogo nunca terminou.



Um mistério em torno de um jogo de infância que enveredou por um caminho perigoso.



Um livro diferente dentro do género thriller, uma vez que combina o psicológico com um toque de Stephen King e umas pinceladas de Irvine Welsh.
CRÍTICAS
«Imaginativo, com uma temática intrigante que abarca dois universos fascinantes. Uma galopada frenética, profunda e sedutora, impregnada de suspense. Um tempo muito bem passado.»

Steve Berry, autor best-seller do New York Times



«Uma história inteligentemente concebida e habilidosamente contada sobre segredos, mentiras e paixões distorcidas, um protagonista perturbado, um terrível assassínio que não era o que parecia ser e um monstro odioso no centro de tudo.»
John Vernon, autor best-seller de Pensa Num Número



«[Há] muito tempo que não tinha uma noite em branco devido a um livro. O Homem de Giz mudou isso. Muitos parabéns C.J.Tudor!»
Fiona Barton, autora best-seller de A Viúva e O Silêncio

segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

Novidades de Janeiro - O Diário Secreto de Hendrik Groen aos 83 Anos e 1/4 de Hendrik Groen





SINOPSE

Hendrik Groen pode estar velho, mas ainda muito longe de estar morto, e espera não ser enterrado tão cedo. Os seus passeios diários são cada vez mais curtos porque as pernas começam a dar de si, e as suas idas ao médico são agora mais frequentes do que ele gostaria. Hendrik está velho, mas quem disse que tem de viver confinado ao lar para idosos perto de Amesterdão esperando que a morte chegue? Quando o Ano Novo começa, decide escrever o seu diário...

Um romance inspirador que se tornou um fenómeno literário em todo o mundo. Ao chegar à última página, será difícil ao leitor, de qualquer idade, despedir-se de um personagem tão encantador e divertido.
CRÍTICAS DE IMPRENSA
«Bem-humorado (e) maliciosamente incisivo... Apesar da subtileza de Groen, não se iluda. Vivemos numa sociedade envelhecida, O Diário Secreto de Hendrik Groen é um manual de resistência para os nossos dias.»
FIVE STARS Sunday Express

«Admirável... uma saga deliciosa e comovente que nos revela a maneira como um idoso lida com a velhice ... partimos do princípio de que Hendrik Groen é um personagem de ficção. Mas é uma ficção de tal forma baseada na observação da vida real que se torna profundamente convincente.»
Daily Express

«Um diário cheio de humor mas comovente, muito apreciado pela sua sagacidade e realismo.»
BBC Radio 4 Front Row

«Sensível, inconformado, irónico... eivado de humor.»
The Best New Fiction Mail on Sunday

sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

Novidades de Janeiro - Sonata em Auschwitz de Luize Valente



SINOPSE
Um bebé nascido nas barracas de Auschwitz em 1944 e uma sonata composta por um jovem oficial alemão dão origem a duas histórias que se cruzam…


Décadas depois do fim da II Guerra Mundial, Amália, uma portuguesa com ascendência alemã, começa a levantar o véu do passado nazi da sua família a partir de uma partitura que lhe é revelada pela sua bisavó. A hipótese de que o avô, dado como morto antes do fim da guerra, possa estar vivo no Rio de Janeiro leva Amália a atravessar o oceano e a conhecer um casal de judeus sobreviventes do Holocausto.



A ascensão do nazismo em Berlim, a saga dos judeus húngaros, os mistérios ocorridos no campo de extermínio da Polónia e o pós-guerra numa casa cheia de segredos oferecem os caminhos que Amália irá percorrer para desvendar o enigma. Dando corpo a uma narrativa elaborada com extrema sensibilidade e precisão investigativa, Luize Valente envolve o leitor em mistério, suspense e nos sentimentos mais profundos.
CRÍTICAS
«A escrita de Luize Valente consegue uma milagrosa alquimia: transforma o passado em presente, dá-nos a oportunidade de vivê-lo.»

José Luís Peixoto

Novidade de Janeiro - Catarina de Aragão A Princesa Determinada - Série Os Tudor de Philippa Gregory


SINOPSE

A vida de Catarina de Aragão, infanta de Espanha, rainha de Inglaterra e que foi a primeira mulher de Henrique VIII, com quem esteve casada vinte anos. Um olhar fascinante sobre a vida de Henrique VIII com todas as convulsões sociais e pessoais que marcaram o seu reinado narrado como se fosse Catarina a contar a sua história. Reedição de um best-seller há muito esgotado: o segundo livro da série Os Tudor.

quinta-feira, 11 de janeiro de 2018

Opinião - Noite Cega, Ragnar Jonasson





Este é o segundo livro de Ragnar Jonasson publicado em Portugal, o primeiro foi a Neve Cega.
Ambos os livros são passados numa pequena aldeia da Islândia e o protagonista é o recém chegado polícia Ari Thór. Este livro tem seguimento do primeiro, por isso aconselho a leitura de Neve Cega antes deste.

Desta vez a história anda à roda do assassinato do chefe de Ari Thor, num país onde raramente há crimes desta natureza e especialmente contra polícias.

Alternadamente há capítulos no livro que relatam na primeira pessoa, a estadia de alguém na ala psiquiátrica de um hospital em Reiquiavique, a capital da Islândia. Claro que no final entende-se quem é e qual a ligação com a história principal.

Foi um livro que me prendeu desde o início e há outras histórias mais pequenas, paralelas à principal que aguçam a nossa curiosidade.

Achei este segundo livro mais apelativo e mais emocionante que o primeiro. Recomenda-se certamente!

Classificação: 4/5.



SINOPSE
Na pequena aldeia islandesa de Siglufjördur, o jovem polícia Ari Thór Arason procura refúgio do seu passado e dos horrores que nele se escondem. Apesar do isolamento da aldeia, acessível apenas por um pequeno túnel nas montanhas, mantém uma relação difícil com os aldeões, que o acham estranho. Exausto, e com a sua vida privada a intrometer-se no trabalho, Ari Thór mete baixa.

Com Ari Thór ausente, o polícia que o substitui, e seu único colega, é assassinado à queima-roupa, a meio da noite, numa casa deserta. Cabe agora a Ari Thór deslindar um caso que rapidamente se torna muito mais complicado do que parecia: a comunidade fecha-se, a política local dificulta tudo, e o novo presidente da Câmara envolve-se no caso muito além da sua função.

A investigação vai levar Ari Thór até bem longe da aldeia. O que terá a ala psiquiátrica de um hospital em Reiquiavique a ver com este crime? O que será que todos em Siglufjördur estão a tentar esconder? E conseguirá Ari Thór aguentar uma investigação tão exigente?
CRÍTICAS DE IMPRENSA
«Um excelente escritor islandês. A escuridão e o frio são quase palpáveis.»
The Times

«Uma prosa evocativa e uma construção magistral.»
The Guardian

«Os livros de Jónasson injetaram nova vida no noir nórdico.»
Sunday Express